Pesquisar
Close this search box.

Como criar uma marca de sucesso do zero? Confira 7 passos!

como criar uma marca

Principais tópicos

Antes de abrir um negócio e colocá-lo para frente, é preciso definir qual será a sua marca. Quando você constrói uma que seja realmente forte, é possível conquistar seu espaço no mercado mais facilmente.

Para quem está começando a empreender, é importante saber como construir uma marca de sucesso com um passo a passo que ajudará nesse momento, tornando-o mais simples e fácil.

Vem com a gente e confira um guia completo sobre como criar uma marca de sucesso do zero e tire suas dúvidas sobre o assunto.

O que é uma marca?

A marca é um sinal distintivo que permite identificar uma empresa, um conjunto de produtos ou serviços. É uma representação simbólica, e proporciona muita força nas ações de marketing e divulgação.

Quando falamos de estratégia de branding, é sobre, justamente, fortalecimento da imagem no mercado. Isso ajuda a proporcionar sensações positivas no cliente e criar conexões com os clientes.

Criar uma boa marca ajuda a despertar bons sentimentos com seu público e que auxilie na identificação com ela.

Também permite a facilitar a memorização do seu negócio com seus clientes, ajudando na indicação a pessoas de confiança.

Pense, por exemplo, em algumas das gigantes do mercado atualmente: Google, Apple, Samsung, Coca-Cola, Amazon, entre outras.

O que as tornam algumas das maiores empresas do mundo é, justamente, a concepção de uma marca forte.

Como criar uma marca forte em 7 passos ?

Agora você sabe a importância de criar uma marca forte, dominando melhor esse conceito, é o momento de dar um passo a mais: saber quais são os 7 passos fundamentais que ajudarão você nessa jornada e potencializar as chances de sucesso ao criar uma marca forte.

Seguir esse passo a passo transforma seu processo em mais tranquilo, com menos erros e é o utilizado pelos principais empreendedores de diferentes áreas. Vamos juntos a seguir nessa jornada.

1. Analise o seu potencial público-alvo, mercado e concorrentes

Um primeiro ponto para criar uma marca de sucesso do zero é saber identificar quais são as tendências e demandas do mercado e do seu público-alvo, como tem se comportado a concorrência e quais brechas você pode aproveitar.

Por exemplo, você pode pensar em uma marca descolada, moderna, com uma linguagem informal e isso ser uma questão que afasta o seu público-alvo, pois pode passar uma sensação de descredibilidade.

Por isso, esse tipo de pesquisa é fundamental, para que sua ideia de marca esteja alinhada com aquilo que seus potenciais clientes esperam e gerar uma maior conexão com eles a longo prazo.

Mas não é só isso que deve ter sua atenção.

Analisar as tendências e oportunidades de mercado permite, também, identificar quais são as demandas de marcas para determinadas áreas.

Isso pode ser uma forma de disrupção e dar destaque ao seu negócio.

Um case de sucesso bastante conhecido neste caso foi o do Nubank.

A marca, com um perfil divertido, informal e de maior proximidade com o público, foi um rompimento com um conceito tradicionalíssimo do setor financeiro do país.

Com isso, a startup se destacou, investindo em algo totalmente inovador e hoje ela é considerada uma startup unicórnio — ou seja, aquelas que possuem valor de mercado acima de US$ 1 bilhão.

Para ter dimensão de como esse posicionamento de marca pode ser extremamente positivo, hoje o Nubank tem um valor de mercado de US$ 36,57 bilhões, acima dos seus concorrentes diretos, como Bradesco (US$ 33,42 bilhões), Banco do Brasil (US$ 29,38 bilhões) e Santander Brasil (US$ 23,62 bilhões).

Isso só foi possível a partir da análise de três pontos:

  • Público-alvo: identificar como a geração Z e Millenial estava incomodada com um perfil mais sisudo e tradicionalista das instituições financeiras e criar uma marca próxima do cliente, amigável e informal, quebrando essa tradição do mercado;
  • Mercado: a identificação dos altos índices de insatisfação com o modelo tradicional de instituições bancárias, seja nos serviços (por exemplo, nas cobranças de taxas por determinadas operações e atendimento ao cliente), seja no tratamento ao cliente;
  • Concorrência: analisar quais eram as tendências e abordagens dos concorrentes permitiu ao Nubank identificar quais eram as brechas que eles não cobriam e criar algo que revolucionou o mercado de startups brasileiro.

2. Defina o foco e personalidade do seu negócio

Seu negócio, para se conectar ao cliente, precisa ter personalidade, representar os valores e princípios da sua marca. No marketing, esse é um conceito que chamamos de brand persona.

Se ele fosse uma pessoa, como ela seria?

Quais seriam suas características? E sua personalidade? Tudo isso será fundamental para gerar empatia e proximidade com seu público, ajudando ao gerar um bom relacionamento.

E não é só isso que precisa de atenção. Afinal, qual o ponto em que sua marca está hoje e o que ela deseja alcançar? Quais memórias você gostaria de trazer ao seu público?

Por exemplo, uma marca de alimentos pode querer proporcionar uma sensação de aconchego e boas lembranças ao remeter, por exemplo, a ideia de “comida de avó”, algo muito simbólico no Brasil.

Pensando nisso, todo o direcionamento da marca deve ser pautado para proporcionar essa imagem de conforto, ancestralidade, sabor artesanal e cuidado próximo com a produção do item.

E lembre-se de um ponto: não é possível agradar a todo mundo. Por isso, é preciso focar em qual parte do público-alvo você deseja direcionar seus esforços e manter as ações em busca de alcançar esse objetivo.

Uma dica é pensar: quando um cliente lembrar da minha marca, quais palavras virão imediatamente à cabeça dele? Isso ajuda a definir melhor questões como:

3. Escolha um bom nome para a marca

Essa pode parecer uma escolha simples, mas, muitas vezes, é o grande desafio: saber definir qual é o melhor nome para sua marca.

Uma boa definição é essencial, ajudando a evitar dor de cabeça com mudanças posteriormente.

Afinal, você deverá fazer o registro de marca, tendendo a ser um processo mais burocrático. Mas não é só isso que impacta na escolha dessa questão. Afinal, o nome do seu negócio estará em:

  • Logotipos;
  • Domínio de site;
  • Redes sociais;
  • Ações de divulgação, entre outros.

Nomes para loja virtual: como escolher o melhor + 279 ideias criativas para te inspirar

E o nome, dependendo do seu segmento, pode ser muito simbólico das questões que listamos anteriormente.

Retomemos, por exemplo, ao Nubank. O nome do banco surgiu com a ideia de passar a sua prioridade em proporcionar maior transparência em suas ações.

Sim, o “Nu” do “Nubank” é uma referência ao termo sinônimo de nudez, como a própria empresa conta em seu blog.

A ideia, além da transparência, era remeter a uma ideia de um banco sem preconceitos ou julgamentos, se deslocando das instituições tradicionais.

Ou seja, pode ser interessante, sim, para seu negócio trazer um nome que remeta à personalidade da marca. Algumas dicas interessantes são:

  • Escolha um nome comercial difícil de imitar;
  • Veja se não há outras empresas, principalmente no mesmo ramo, com o mesmo nome;
  • Evite atrelar o nome da marca a apenas um único produto ou serviço, ou, no futuro, poderá ter maiores problemas quanto a isso, caso vá expandir seu portfólio de atuação;
  • Não tenha medo de criar um nome. Por exemplo, a marca Häagen-Dazs, na verdade, é americana! O nome surgiu com a ideia de simular um termo dinamarquês, para passar a ideia de maior sofisticação;
  • Muitas vezes, o simples pode trazer um nome fortíssimo. É o caso da Apple. Se pensar que hoje uma das marcas mais valiosas e amadas do mundo tem o nome que, em português, seria “Maçã”;
  • Para alguns segmentos, brincar com termos da área ou trocadilhos podem ser uma ótima pedida. Mas lembre-se que isso precisa estar alinhado com a personalidade do seu negócio;
  • Siglas tendem a funcionar muito bem e podem ser a junção de termos que descrevem a atividade do seu negócio;
  • Pesquise se há disponibilidade do domínio com o nome da sua empresa ou para eventuais variações. Afinal, você vai querer investir em presença nas redes sociais e um nome comum já pode não ter as opções desejadas para registro. Nesses casos, pode-se optar por variações, complementos ou outras formas de registro, caso esse seja um ponto importante para sua marca.

4. Aposte em um slogan forte

Acredite, os slogans têm um papel fundamental sobre como criar uma marca, pois ajudam a fixá-la na memória das pessoas. Afinal, quem não associa o termo “Just do it!” à Nike, por exemplo?

A frase pode ser uma forma de fixar valores da sua marca com clientes e causar um forte impacto com poucas palavras.

Pode ajudar, também, na presença digital, fazendo parte, por exemplo, da bio das suas redes sociais.

Algumas características de um bom slogan são:

  • Resumir em poucas palavras a visão, imagem ou vibe da marca;
  • É contagiante;
  • Causa uma boa impressão;
  • Tem uma boa aderência (ou seja, é memorável, impactante);
  • Reafirma o objetivo do seu negócio;
  • Aponta características do seu produto ou serviço;
  • Gera identificação do público com o seu negócio.

5. Faça um estudo para identidade visual

Escolheu nome, personalidade, foco e público-alvo da sua marca? Então é hora de seguir um passo que será importante sobre como ela será lembrada pelo público: definir a identidade visual.

A representação visual dela também dirá muito sobre a imagem que deseja passar para o público. E isso está relacionado com os estudos realizados na área de design.

Por exemplo, as cores definidas para sua identidade visual podem fazer toda a diferença.

Se você quer ter uma perspectiva vibrante, que remeta à energia, movimentação, cores quentes (como vermelho, laranja, amarelo) deverão estar presentes.

Já se quer passar uma percepção de confiança, criatividade, calma, autoridade, cores frias (como lilás, roxo, azul) podem ser mais interessantes.

O mesmo vale para tipografia. Ela ajudará a passar uma imagem mais tradicional, criativa, moderna, radical, disruptiva: tudo isso segundo as fontes escolhidas na identidade visual.

Nessa etapa, ter um profissional de design será fundamental para ajudá-lo nisso.

Ele será responsável por, ao captar todas as informações com você (por meio do briefing), criar uma identidade visual que reflita, de fato, a imagem da sua marca.

6. Crie seu logotipo

Esse é um dos passos mais importantes sobre como criar uma marca. Em um mundo cada vez mais iconográfico, com as redes sociais e criação de aplicativos mobile, o logotipo tem um papel fundamental para passar a “primeira impressão” do seu negócio.

Pense, por exemplo, a facilidade com a qual você abre seus aplicativos de redes sociais (como Instagram, LinkedIn, Facebook, TikTok, entre outros), por reconhecer rapidamente o logotipo dela, ao ponto que isso é, praticamente, intuitivo.

O logotipo também estará presente em diversos outros espaços, entre eles:

  • Embalagens dos seus produtos;
  • Favicons (pequenos ícones que aparecem no navegador quando a pessoa acessa seu site);
  • Nas publicações em redes sociais;
  • Em campanhas offline da sua marca;
  • Uniforme dos seus profissionais.

O logotipo precisa ser reconhecível, até mesmo, quando está em tamanhos menores.

Se não for possível, pode ser interessante ter uma versão minimalista para este tipo de situação, viabilizando a identificação em diferentes cenários.

Se você contar com um profissional de design, que criará sua identidade de marca, ele também pode ser responsável por sugerir algumas ideias relacionadas com a imagem que deseja passar.

Lembre-se que tudo pode mudar — até mesmo o logotipo do seu negócio.

Mas é importante que esse processo faça sentido para a dinâmica da sua marca e que a mudança seja feita de forma estratégica e gradual, sem impactar o cliente.

Um exemplo de como esse impacto pode gerar situações delicadas foi o ocorrido com o Twitter, na sua migração para o nome X, após a compra da rede social por Elon Musk.

A mudança no logotipo  gerou uma movimentação de frustração com os usuários.

Isso porque o “passarinho azul” da rede sempre foi um símbolo icônico da marca e a transição não foi tão bem trabalhada.

Diante disso, muitas pessoas passaram a fazer a mudança manual em seus dispositivos, mantendo o ícone do aplicativo na versão anterior.

7. Traga a marca para todas as funções na empresa

Sua marca faz parte da história da empresa e, por isso, ela não pode ficar restrita apenas à visibilidade para os clientes, público-alvo e stakeholders, mas sim a todos os envolvidos, incluindo o público interno.

Afinal, também existe a necessidade de encantar seus profissionais, para que eles se sintam fazendo parte de uma cultura interna de algo grandioso e dediquem-se fortemente ao que estão fazendo.

E a história da marca tem um papel muito grande nisso. Uma das empresas que trabalha com isso fortemente no Brasil é Volkswagen

Muitas ações realizadas internamente visam proporcionar uma admiração do profissional com o seu ambiente de trabalho e fazendo parte de algo importante.

Além disso, muitas pessoas hoje dedicam-se a fazer um processo de consumo com propósitos, ou seja, comprar apenas de marcas que tenham uma história alinhada com seus valores e princípios.

Inclusive, uma ideia interessante é registrar esses passos de criação da marca e utilizá-lo como uma forma de contar a história da sua empresa. É uma ótima estratégia de storytelling, inclusive.

Passo extra: lembre-se que tudo pode mudar

Mantenha-se aberto sempre para estar em constante transformação sobre a sua marca.

Até mesmo as grandes empresas fazem mudanças, de tempos em tempos, trazendo novas perspectivas, valores e formas de lidar com diversas questões.

Quer ver um exemplo recente? A Johnson & Johnson, uma das marcas mais fortes de cuidados de bem-estar e saúde, mudou seu logotipo icônico em caligrafia cursiva para uma nova identidade visual, com um ar mais moderno.

A logo anterior era a mesma desde a criação do negócio, quando foi criado em 1887.

Ou seja, não houve medo de mexer em algo tradicional, com mais de 130 anos de existência, para trazer uma adequação aos novos tempos.

A ideia da nova logo é, justamente, trazer a ideia de inovação em saúde, bem como também refletir um caráter acolhedor do negócio.

Essa demanda vem, justamente, em um momento no qual os avanços na interseção entre tecnologia e saúde avançam e a marca se posiciona como alinhada com essas questões.

Ou seja, até mesmo mais de um século de história pode ser mudada para renovar uma marca tradicional, com uma longa história no mercado. Não tenha medo de fazer isso.

Inclusive, muitas vezes, as mudanças na identidade de marca são estratégicas! Você pode traçar ações para divulgar essas mudanças e trazer ótimos resultados para seu negócio.

Qual a diferença entre Razão Social, nome fantasia e marca?

Outro ponto que você precisa saber é a diferença entre Razão Social, Nome Fantasia e marca.

A última nós já falamos bastante ao longo deste artigo, mas ainda assim, é possível confundi-la com os demais termos.

Para ajudá-lo, vamos explicar sobre as três a seguir.

Razão Social

É o nome de registro da sua empresa, vinculado ao Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica.

Normalmente não é muito utilizada na divulgação do negócio, sendo mais adotada nas questões burocráticas (como registro no banco, emissão de documentos, notas e comprovantes de pagamento, entre outros).

Nome Fantasia

É o nome divulgado para o público. Quando falamos sobre o nome da marca, é normalmente adotado aqui.

Seu registro, diferentemente da Razão Social, tende a ser feito junto ao INPI e evita que ele possa ser adquirido e usado por outras pessoas na sua área.

Marca

A marca é composta não só pelo Nome Fantasia, mas, também, por outros itens que ajudam a compor uma visão macro da sua empresa, como logotipo, identidade visual, iconografia, personalidade, tom de voz da marca, entre outros pontos.

[EXTRA] Exemplos de marcas famosas para te inspirar

E se quer criar uma marca do zero, se inspirar nos melhores do mercado ajudará a encurtar boa parte do processo e chegar com tudo ao topo da sua área!

Por isso, separamos nessa parte extra alguns dos grandes nomes em sua área!

Vem com a gente e inspire-se!

Coca-Cola

Com mais de 125 anos de existência, a marca sustenta sua liderança no segmento de refrigerantes, além de ter um portfólio de produtos do setor alimentício que, também, são referências em suas respectivas áreas.

Algumas das campanhas de posicionamento de marca da empresa ganharam tanto destaque, que são lembrados por muitas pessoas, mesmo décadas após sua criação.

Quer ver? Você provavelmente lembra das campanhas da empresa para Copa do Mundo, ou “O lado Coca-Cola da vida”.

A marca se posiciona como uma bebida que está sempre ligada com comemorações, momentos festivos, união, amizade, com campanhas icônicas que reforçam isso principalmente em eventos como Copa do Mundo e datas como Natal.

Ao longo da história, inclusive, isso passou a ser esperado pelo público.

Muitas pessoas realmente anseiam para ver qual será a campanha da Coca-Cola nesses momentos. Um trabalho de construção da marca forte e impecável.

Apple

Uma das marcas que ajudou a cunhar o termo “love mark”, não poderíamos deixar de citar a Apple aqui, não é mesmo?

Afinal, muitas pessoas são verdadeiras embaixadoras dela, justamente, pelo afeto que possuem pela marca.

Sinônimo de modernidade, inovação, elegância, a ideia de criar itens exclusivos, arrojados, com um design diferenciado faz com que milhões de pessoas fiquem ansiosas para conferir os eventos de lançamento dela.

Muito disso veio, justamente, de um trabalho impecável feito por Steve Jobs, criador da marca.

Para ele, a empresa deveria apostar em vender sonhos e não produtos. Ou seja, o foco sempre foi no valor gerado para o cliente com o uso do produto, e não no item em si.

Starbucks

A marca de cafés saborizados na modalidade “coffee to go” é focada na experiência do consumidor.

E uma mudança sutil transformou seu modelo de negócio, destacando-a no mercado: escrever o nome do cliente no copo.

Esse posicionamento tirou o foco dos cafés e direcionando ao cliente, tornando esse momento mais agradável.

Outro ponto é, também, como a empresa também se posiciona em relação aos temas que considera importantes, o que também a faz ser mais admirada pelo seu público-alvo.

Criar uma marca de sucesso do zero é um verdadeiro desafio. Mas seguindo os passos que listamos aqui, fica muito mais fácil alcançar o sucesso, reduzindo erros.

Trouxemos as melhores práticas adotadas pelas grandes marcas do mercado e esperamos que ajude você em sua jornada.

E neste artigo, você viu um tema fundamental para quem está começando a empreender: registrar sua marca. Esse é um momento que demanda muita atenção, evitando erros!

Confira agora: como registrar uma marca no INPI em 2023: entenda o passo a passo, taxas e prazos!

Conteúdos que podem te interessar:

 ➞ Tom de voz: o que é e como definir o da sua marca?
Digital Branding: O que é e como construir uma marca digital forte!
Influenciadores digitais: como encontrar os melhores para a sua marca?

Adquira sua Loja Online em Minutos!

Vamos ajudar você a abrir sua loja virtual na Tray agora mesmo.

Preencha as informações abaixo e te ligamos em até 1 minuto.

Em 1 minuto mesmo! Preencha aqui que nós ligamos para você

Loja Virtual + Cursos por R$ 59!

Descubra como impulsionar suas vendas online com uma loja virtual + cursos por apenas R$ 59! Clique aqui para aproveitar esta oferta incrível.

Você já é um cliente Tray?

Não perca os nossos mais recentes lançamentos e mantenha-se atualizado!

Confira os Planos Tray e abra sua loja virtual

Mensal
Anual

Plano 1

52
Economize R$84
R$ 624 por ano
em até 6x sem juros

Melhor custo benefício

Plano 2

94
Economize R$60
R$ 1.128 por ano
em até 6x sem juros

Plano 3

236
Economize R$156
R$ 2.832 por ano
em até 6x sem juros

Plano 4

359
Economize R$480
R$ 4.308 por ano
em até 6x sem juros

Assine e receba novos materiais

⚠ Não se preocupe, você não receberá spams. Além disso, seus dados estão seguros, conforme a Lei Geral de Proteção de Dados.

Fique por dentro

Parabéns por se inscrever

Quer receber conteúdos e materiais em primeira mão? Acesse nosso grupo gratuitamente!